Tromba de água em S. Torpes (Sines) - 10 maio 2016 – 11:50 UTC

:

 

Enquadramento sinóptico

Uma depressão complexa à superfície, com núcleo principal a oeste da Península Ibérica com 996 hPa em 40N 13W, dá origem a um forte fluxo instável de sudoeste sobre o litoral do Alentejo e Atlântico adjacente, numa massa de ar com tetasw de 11 º C.

Os campos do geopotencial, temperatura e vento aos diversos níveis, mostram que a depressão é barotrópica com núcleo frio e é contornada por um forte fluxo quente desde a superfície aos níveis mais altos da troposfera, onde está associado à corrente de jato. Toda esta vasta região depressionária é caraterizada por uma massa de ar instável, com fortes movimentos verticais, em que os índices de instabilidade apresentam valores significativos.

O local onde ocorreu o tornado encontra-se numa linha de valores máximos do teor em água precipitável (cerca de 18 mm), que corresponde à formação de nebulosidade organizada que como se pode observar na imagem de satélite das 12 UTC.

O tefigrama previsto para as 12 UTC no local onde ocorreu o tornado, mostra a tropopausa alta, a cerca de 9200 metros de altitude. A massa de ar é húmida em toda a troposfera, potencialmente instável junto à superfície e instável desde níveis muito baixos (1200 metros de altitude) até quase à tropopausa, embora se encontre um valor pequeno 248 J/kg para o CAPE. Destaca-se um ligeiro shear do vento, que tem intensidade superior a 20 kt desde a superfície, e ausência de veering do vento.


PL2.png

PL3.png

PL4.png

PL5.png

PL6.png

PL7.png

PL8.png

PL9.png

PL10.png

PL11.png

PL12.png

PL13.png

Observação radar

As imagens de radar no campo da refletividade mostram células convectivas com pouco desenvolvimento, organizadas em várias linhas mal definidas. Destaca-se pelo seu desenvolvimento vertical e pelo núcleo com valores de refletividade mais elevados, uma célula convectiva que se encontrava pelas 11:40 UTC no local onde o tornado ocorreu, e que terá estado associada ao fenómeno. Estava fora do limite de alcance do Doppler (100 km) pelo que não foi possível diagnosticar adequadamente a circulação, no entanto a duração e características apresentadas no campo da refletividade correspondem às de uma supercélula.

 

PL14.png

 

Tromba de água em S. Torpes

O vórtice desenvolveu-se cerca das 11:50 UTC sobre o mar a sul do Cabo de Sines, a cerca de 8 km da estação meteorológica, e teve uma duração aproximada de 3 minutos, deslocando-se de oes-sudoeste para es-nordeste, em direção à praia de S. Torpes. Apesar da distância, o observador meteorológico de serviço pode ver a tromba que se estendia até à superfície do mar e a água a ser aspirada e projectada. O fenómeno foi fotografado e codificado no Synop das 1200 UTC.

 

PL15.png

PL16.png

Entrar


Esqueceu a sua senha?
Novo utilizador?