NEVOEIRO – 11 de novembro de 2016

:

 

O estado do tempo em Portugal continental no dia 11 de novembro foi condicionado por um anticiclone localizado entre o arquipélago dos Açores e da Madeira (quase estacionário e de pequena variação), estendendo-se em crista ao norte da Península Ibérica, e ainda por um segundo núcleo anticiclónico sobre o interior da península, e pela aproximação de uma superfície frontal quente a partir do final da tarde.

Na figura 1, apresenta-se a análise de superfície para o referido dia, onde se representam as linhas de igual pressão atmosférica referente ao nível médio do mar (isóbaras), a localização das superfícies frontais (quentes, frias e oclusas) e os centros de acção (depressões ou anticiclones).

copy_of_S1.png
Fig.1 – Análise sinótica subjetiva para o dia 11 de novembro de 2016 às 00 UTC. Fonte: DWD.
Na figura 2, apresentam-se diversos parâmetros de prognóstico para o dia 11 de novembro de 2016 às 00 UTC. Na fig.2 (a) a (d) observa-se a localização do anticiclone a oeste da Península Ibérica indicando uma região de estabilidade (associada a subsidência), com a presença de ar relativamente quente, indicando gradientes de temperatura pouco acentuados.
Aos vários níveis de geopotencial, respectivamente 500 hPa, 700 hPa, 850 hPa observa-se a influência da crista anticiclónica sobre o território de Portugal continental, e na carta de pressão ao nível médio do mar podemos já observar um pequeno vale pouco pronunciado associado à aproximação da referida superficie frontal quente, e a rotação do vento para o quadrante sul a oeste da Galiza.
copy_of_S2.png
Fig.2 – Carta de prognóstico de diversos parâmetros meteorológicos para o dia 11 de novembro de 2016 às 00UTC.
Fonte: ECMWF.

No tefigrama, apresentado na fig.3 pode observar-se uma inversão de subsidência aos níveis médios e altos, e à superfície uma inversão de radiação, com vento de noroeste a todos os níveis e com uma adveção de ar quente até aos 700 hPa e adveção de ar frio na camada imediatamente superior.

copy_of_S3.png
Fig.3– Tefigrama previsto para Bragança para o dia 11 de novembro de 2016 às 00 UTC. Fonte: EUMETSAT.
A partir do final da tarde pode observar-se a aproximação da superfície frontal quente, associada a um vale pouco pronunciado com uma ligeira adveção de ar frio às 12 UTC, na circulação do bordo nordeste do referido anticiclone, visível na carta de prognóstico de Θsw (850 hPa) do dia 11 de novembro às 12UTC (fig.4) com valores de 12°/14°C e posteriormente de 14°/16°C e na carta de prognóstico do total de água precipitável (fig.5) com valores inferiores a 35 mm, e ainda na imagem de satélite (fig.6) através de uma banda de nebulosidade alta sobre a faixa costeira ocidental, sendo ainda possível inferir o nevoeiro e/ou nebulosidade baixa no nordeste Transmontano a prolongar-se para Espanha.

copy_of_S4.png
copy_of_S6.png
Fig.6 – Imagem de satélite do MSG-2, produto RGB-HRV, para o dia 11 de novembro de 2016 às 12 UTC.
Fonte: EUMETSAT.

Nas figuras 7 e 8, apresentam-se os gráficos com as distribuições de temperatura e pressão ao nível médio do mar, onde se observa a descida da temperatura durante o período da noite e madrugada, mantendo-se a massa de ar quase saturada até início da tarde, e o anticiclone intensificando-se no período das 06-09 UTC, bem como a posterior descida da pressão com a aproximação gradual da referida superfície frontal quente, de fraca actividade e em fase de dissipação, com ocorrência de períodos de chuva fraca no distrito de Viana do Castelo.


copy_of_S7.png
Fig.7 – Distribuição da temperatura (T e Td) para o dia 11 de novembro de 2016 na estação meteorológica de
Bragança no período das 00-21 UTC. Fonte: IPMA.
copy_of_S8.png
Fig.8 – Distribuição da pressão (n.m.m) para o dia 11 de novembro de 2016 na estação meteorológica de
Bragança no período das 00-21 UTC. Fonte: IPMA.
Na figura 9, apresenta-se uma imagem de satélite, no domínio do visível de alta resolução para o dia 11 de novembro às 12 UTC, onde podemos observar com maior detalhe a nebulosidade baixa no nordeste Transmontano, sem que no entanto seja possível distingui-la do nevoeiro, e ainda uma banda de nebulosidade média e alta (estratiforme) associadas à aproximação da superficie frontal quente sobre o oceano Atlântico.

copy2_of_S9.png
Fig.9 – Imagem de satélite do MSG-2, produto RGB-HRV, para o dia 11 de novembro de 2016 às 12 UTC.
Fonte: EUMETSAT.
Na figura 10, observa-se a representação gráfica do SYNOP de Bragança às 09 UTC, com céu encoberto, a visibilidade foi inferior a 100 m e vento calmo. A temperatura do ar registada foi de 1.2ºC e a humidade relativa foi de 98 %. A pressão registada ao nível médio do mar foi de 1030.9 hPa, tendo apresentando uma subida de 1.3 hPa nas últimas 3 horas. O tempo passado e presente codificado foi de nevoeiro.
copy_of_S10.png
Fig.10 – SYNOP de Bragança para o dia 11 de novembro de 2016 às 09 UTC. Fonte: IPMA.
No dia 11 de novembro, a temperatura máxima prevista para Bragança foi de 11ºC, e devido à persistência de nevoeiro até ao início da tarde, o valor da temperatura máxima atingido foi de 9ºC. Outros casos similares de nevoeiro na região de Bragança foram registados no mês de dezembro no dia 13 e ainda no periodo de 23 a 31. Na tabela 1, apresenta-se o valor da temperatura mínima e máxima observadas para alguns desses dias, onde podemos constatar uma amplitude térmica baixa nos dias em que o nevoeiro persistiu ao longo do dia.


Tabela 1 – Valores da temperatura mínima e máxima(°C) para Bragança.
copy_of_S11.png

Entrar


Esqueceu a sua senha?
Novo utilizador?